O modelo de negócios chinês é, muitas vezes, caracterizado como uma fábrica gigante, com infinitas filas de trabalhadores que encaixam tediosamente peças para saciar o apetite do mundo por bens baratos. Mas, será mesmo que essa imagem representa realmente a realidade dos negócios na China?

 

A realidade dos negócios na China

 

Essa caracterização de negócios na China, tão difundida através dos anos, negligencia o espírito empreendedor que existe no país há séculos e que já começou a impulsionar a próxima etapa do crescimento chinês.

 

negócios na china

 

A China tradicional, antes de 1949, era marcada por uma economia organizada em torno de pequenas empresas domésticas. Os mercados eram competitivos e as famílias vendiam suas mercadorias com lucro. Este sistema, que existiu durante séculos, foi substituído por Mao Zedong e, em seu lugar, passou a existir o planejamento central e a organização estatal de toda atividade econômica.

No entanto, ao longo das últimas três décadas, a economia da China foi gradualmente liberalizada. Com essa liberalização, a economia doméstica tradicional começou a reverter sob a forma de start-ups e empreendedorismo. Entre 2000 e 2013, as receitas das empresas estatais aumentaram em 6; em contraste, durante o mesmo período, as receitas do setor privado aumentaram 18 vezes. Muitos chineses abraçaram esse espírito empreendedor. Assim como os Estados Unidos admiram Bill Gates e Steve Jobs, empresários chineses como Jack Ma, do Alibaba, e Lei Jun, da Xiaomi, estão cada vez mais no centro das atenções.

 

negócios na china

 

No entanto, o tamanho do mercado e o potencial do consumidor não devem ofuscar as dificuldades de iniciar negócios na China. Navegar no sistema jurídico da China pode ser especialmente difícil para os estrangeiros.

Na indústria de tecnologia, o roubo de propriedade intelectual é uma preocupação particular; a questão da execução de contratos é uma das principais questões que os empresários enfrentam na China. Tanto nos Estados Unidos como no Brasil, as empresas podem se comprometer credivelmente com os contratos sabendo que o sistema jurídico irá reforçá-los. As empresas podem comercializar suas ideias, sabendo que, no caso de uma disputa, terão a opção de solicitar compensação. Na China, no entanto, o sistema jurídico é obrigado ao Partido Comunista, repleto de corrupção, coerção extralegal e arbitrariedade.

É por isso que as relações são tão importantes para fazer negócios na China. Naturalmente, isso é especialmente desafiante para os empresários; é improvável que tenham as relações necessárias no lugar para obter uma vibração justa aos olhos da lei. O problema é agravado ainda mais para empresários não-chineses trazendo novas tecnologias para a China. A rede chinesa desses empresários pode ser muito limitada, e o risco de sua tecnologia ser copiada ou expropriada sem recurso legal é especialmente elevado.

 

negócios na china

 

Mas, então, os empresários devem ficar fora da China? Qualquer pessoa interessada em fazer negócios na China deve considerar cuidadosamente como podem adaptar seu modelo de negócios para se adequarem ao ambiente chinês. Os futuros empresários devem primeiro entender que, apesar das décadas de liberalização, o planejamento central ainda desempenha um papel importante na economia chinesa.

Ao invés de ir contra a maré, é aconselhado aos empresários “alinhar sua estratégia com os planos de desenvolvimento do governo”. Isso exige uma análise cuidadosa da estratégia do governo central, e como esta se reduz ao nível do governo local. Embora um planejamento cuidadoso seja essencial, a tomada de decisões atempada também é vital.

Gostou deste conteúdo? Continue conosco também no Facebook!

 

Alex Gabriel Fiorotto

Referencias: Forbes; China Focus

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *